Edgar Morin e a Educação Integral

O filósofo Francês Edgar Morin (nascido em 1921), de origem sefardita, foi investigados do CNRS (Centre National de la Recherche Scientifique) em França, onde realizou vários trabalhos sobre Filosofia, Sociologia e Epistemologia. No início do século XX, desenvolveu vários trabalhos para a UNESCO sobre o futuro da educação e a escola. Neles desenvolve a sua aproximação à teoria da complexidade advogando uma educação integral.

Segundo Morin, é necessário partir do ser humano, que é ele próprio uma resultado duma cultura e dum ambiente, para lhe propor uma educação integral.

A proposta educativa de Morin critica a fragmentação do conhecimento, que apenas conduz a um entendimento do universo com partes um todo sem conexão. Essa incapacidade de compreender a totalidade leva Morin a propor a educação como um processo de compreensão do pensamento complexo que relaciona o global com o local, que permite incluir a uniformidade e a diversidade incluídas na totalidade. Isso implica uma reforma profunda dos modelos de ensino, sendo necessário ultrapassar a aprendizagem por especialização para aprendizagens integradas das várias áreas do conhecimento.

O filósofo e sociólogo francês Edgar Morin defende uma “reforma radical” do modelo de ensino nas universidades e escolas, salientando a necessidade de passar da atual ‘hiperespecialização’ para uma aprendizagem que “integral a partir das várias áreas do conhecimento”.

Com essa mudança de paradigma, proposta por Morin, a educação poderá enfrentar a resolução de problemas complexos, como os atuais problemas enfrentados pela humanidade na sua relação com o ambiente. Uma educação integral permite prepara os alunos para enfrentar o imprevisto e a mudança. O método integral proposta parte do questionamento sobre o conhecimento do próprio conhecimento. Essa é a sua tese sobre os Sete pilares da educação.

Participa nos debates sobre a Transdisciplinaridade, cuha carte é apresentada em 1994 nas Conferências da Arrábida

Escreveu vários livros como por exemplo: O método (6 volumes- 1977-2004) Introdução ao pensamento complexo (1999), Ciência com consciência e Os sete saberes necessários para a educação do futuro.(2000)

Ligações

Montuori, Alfonso 82008). Edgar Morin A partial Introdution

https://www.academia.edu/168752/Edgar_Morin_A_Partial_Introduction

Olga Pombo “Interdisciplinaridade e integração dos saberes” (2005).

http://revista.ibict.br/liinc/article/view/3082/2778

Sete pilares da educação de Edgar Morins

  1. Partir do Conhecimento da Vida
    1. Conhecimento: Temos muita informação mas conhecemos pouco do mundo e da vida
  2. Procurar o Conhecimento Pertinente:
    1. Um conhecimento que não mutila o objeto. É necessário contextualizar. Procurar o todo dentro do uno. Olhar para as relações.
  3. Compreender o Indivíduo
    1. Identidade Humana: É preciso compreender o indivíduo, o social e o natural. A unidade tridimensional da condição humana.
  4. Compreender o Social
    1. A compreensão humana: Desenvolver a capacidade de comunicar através do diálogo
  5. O conhecimento é incerto
    1. A Incerteza: a ação gera incerteza. É necessária uma ecologia da ação. Dar pequenos passos e pensar em alternativas
  6. Os fenómenos são complexos
    1. Condição planetária: Os fenómenos são complexos e interligados em múltiplas escalas e tempos (transcalaridade e transtemporalidade)
  7. Acção como limite da ética
    1. Antropo-ética: O ser humano é tridimensional. É simultaneamente ser biológico, ser individual e ser social. Cada um desse desenvolver as suas responsabilidades individuais

Elementos de trabalho

%d blogueiros gostam disto: